As Ricas Horas do Duque de Berry

As Ricas Horas do Duque de Berry
As Ricas Horas do Duque de Berry. Produção dos irmãos Limbourg - séc. XV. Mês de novembro

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Arqueológos acham túmulos de mais de 3.000 anos em vale do Paquistão


Fonte: Portal UOL by 
AFP


Arqueólogos italianos descobriram túmulos de mais de 3.000 anos no vale do Swat, no Paquistão, sugerindo que existiam ritos funerários complexos nesta região controlada pelos talibãs há alguns anos, informou o chefe do estudo nesta sexta-feira (23).
A missão arqueológica iniciou as escavações nos anos 1950 no sítio de Udegram, no Swat, uma região do noroeste do Paquistão - também  conhecida como a "Suíça do Paquistão" devido aos seus vales verdes que também escondem tesouros de um passado budista.
Os arqueólogos, que sabiam da existência de uma necrópole pré-budista em Udegram, descobriram nesta região "cerca de 30 túmulos, reunidos e parcialmente entrelaçados uns sobre os outros", disse Luca Maria Olivieri, chefe da missão arqueológica italiana no Paquistão."O cemitério parece ter funcionado entre o fim do segundo milênio antes de Cristo e a primeira metade do primeiro milênio" da mesma era, acrescentou. 
"Estes túmulos nos dizem muito acerca destas culturas antigas (...) que tinha ritos funerários complexos", com uma primeira etapa de decomposição dos corpos em um túmulo aberto, depois da qual os ossos eram queimados parcialmente e guardados em um túmulo fechado, antes que um montículo fosse erguido sobre ele, explicou Luca.
Até o momento, os arqueólogos não encontraram evidências de armas, apenas fragmentos de ferro, "que, talvez, são um dos rastros mais antigos deste metal no subcontinente" indiano, acrescentou Olivieri. 
Esta região está repleta de sítios budistas, pouco visitados pelos turistas estrangeiros, e que são alvo dos insurgentes talibãs, hostis à herança desta religião. Os talibãs paquistaneses tomaram o controle do Swat entre 2007 e 2009, antes de serem derrubados por uma ofensiva do exército paquistanês.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

19 de novembro: o Dia da Bandeira

O golpe da República de 15 de novembro de 1889 precisava instituir uma simbologia adequada para aquela  passagem de Monarquia à República, impondo novos ícones para um novo tempo. Inicialmente, optou-se por uma "inspiração" na bandeira dos Estados Unidos.


Bandeira provisória entre 15 e 19 de novembro de 1889.

Para a nossa felicidade, houve uma significativa mudança, pois foi mantida parte da bandeira do império, excluindo-se o brasão imperial:

 
Bandeira Imperial (1822-1889)

O verde representa a dinastia de Bragança, linhagem de D.Pedro I e o amarelo a dinastia de Habsburgo, a linhagem de D. Leopoldina, princesa de Áustria e imperatriz do Brasil.

No lugar do brasão, foi estampada a esfera celeste, com a divisa positivista: "Ordem e Progresso".


Bandeira da República do Brasil

A simbologia da esfera celeste ainda remete às unidades da federação, incluindo Tocantins.



quarta-feira, 14 de novembro de 2012

70 anos do Zé carioca: Walt Disney e a Política da Boa Vizinhança.

 Em 30 de setembro de 1937, explodia nos jornais brasileiros a notícia de uma nova tentativa de golpe dos comunistas, como se dizia na época "muito pior que o anterior", sendo que a nova tentativa teria sido planejada na Rússia por um comunista de nome Cohen.

 O “plano” previa assassinatos de líderes políticos importantes, o fim da propriedade privada e a imposição do ateísmo. O documento teria sido “descoberto” pelo General Olímpio Mourão Filho, membro do  Partido Integralista, que o entregara ao chefe do Estado Maior do Exército, o general Goes Monteiro, responsável pela divulgação alarmista na imprensa. Veja um trecho deste famoso documento:


"... O comitê dos incêndios tem como missão fazer propagar incêndios em pontos desencontrados da cidade, em uma ação tecnicamente combinada e dirigida, a fim de aumentar a confusão necessária ao movimento, dividir o Corpo de Bombeiros e outros contingentes militares que os governos das cidades serão obrigados a utilizar para acudir aos focos de incêndios ateados [....]
     O comitê central organizará o plano de incêndios tendo em conta a seguinte regra:
a) em cada rua principal do bairro deverá ser ateado fogo a um prédio no mínimo;
b) sempre que possível de preferência uma repartição pública, federal, estadual ou municipal, existente em rua que não seja guardada por policial;
[...] nos bairros elegantes e plutocratas- as massas deverão ser conduzidas aos saques e às depredações, nada poupando para aumentar cada vez mais sua excitação, que deve ser conduzida a um sentido nitidamente sexual, a fim de atraí-las com facilidade; convencidas de que todo aquele luxo que as rodeia - prédios elegantes, carros de luxo, mulheres etc - constituem um insulto à sua sordidez e falta de conforto, e que chegou a hora de tudo aquilo lhes pertencer sem que haja o fantasma do Estado para lhes tomar conta ...”   

SILVA, Hélio. A ameaça vermelha - O plano Cohen. Porto Alegre: L&PM

 Diante da “ameaça vermelha”, o Congresso concedeu ao governo o Estado de Guerra, criando-se condições para um golpe de Estado. Em novembro de 1937 o candidato Armando de Sales Oliveira apelou pela manutenção da legalidade, mas foi inútil. O golpe já estava consumado e Francisco Campos, futuro ministro da justiça, já fora encarregado de redigir a nova Constituição, a chamada "Polaca", pois fora inspirada na Carta fascista da Polônia e desde então, existia um flerte de Getúlio com o fascismo.


O presidente Vargas passou a governar e legislar através de decretos-leis, uma vez que o Legislativo, então, era composto pelo presidente e por parlamentares eleitos indiretamente. Instituiu-se ainda o Estado de Emergência, que permitia ao presidente, a “autoridade suprema do Estado”, suspender direitos individuais, prender, exilar e invadir domicílios. Restaurou-se a pena de morte, abolida ainda no final do Segundo Reinado, e o mandato presidencial foi estendido para seis anos.

            Dentre as principais criações do Estado Novo que possibilitaram ao governo controlar a população e perseguir opositores, destacam-se:
DIP - Departamento de Imprensa e Propaganda - Era encarregado de realizar o controle ideológico e censurar os meios de comunicação (imprensa, rádio, cinema). Além disso, trabalhava na propaganda pessoal do presidente, fazendo uma imagem sempre positiva de Vargas. Para isso, eram escritas nos jornais matérias favoráveis ao governo, foram espalhados cartazes, produzidas cartilhas e até foi criado um horário no qual todas as rádios eram obrigadas a retransmitir um programa produzido pelo próprio governo. Assim nasceu a Hora do Brasil. Em pouco tempo, Vargas já era conhecido como o “pai dos pobres”.

DASP - Departamento Administrativo do Serviço Público - Criado em 1938 com a finalidade de dar ao Estado um aparato burocrático racionalizador da administração pública. Resumindo, estava encarregado de modernizar a burocracia. Também deveria fiscalizar os interventores nos Estados.

Polícia Especial (PE) - Sua função era perseguir os opositores do regime, especializando-se em práticas violentas, como sequestros, torturas, assassinatos e deportações, sendo chefiada por Filinto Müller.
            Outras medidas foram a criação do Instituto do Açúcar e do Álcool e a substituição do “mil- réis” por uma nova moeda: o Cruzeiro. O Brasil passou a ser um Estado unitário, ficando proibidos os símbolos e as bandeiras dos Estados. Foram proibidos também todos os partidos políticos, reuniões, agremiações símbolos etc.

            Os integralistas, apesar de terem colaborado para o sucesso do golpe, também foram atingidos por essas medidas e, sentindo-se traídos, rebelaram-se e tentaram tomar o poder em 1938. Chegaram a invadir o Palácio do Catete (sede do governo), mas foram cercados e acabaram massacrados no episódio que ganhou o nome de Putsch Integralista. Com os integralistas batidos pelas tropas do governo, Plínio Salgado foi obrigado a exilar-se em Portugal.

            O ufanismo nacionalista provocou, de certa forma, a concentração do desenvolvimento no eixo Sul/ Sudeste. Com o advento da Segunda Guerra Mundial, a indústria brasileira sofreu um pequeno crescimento devido à substituição das importações. Porém, a guerra pressionou o governo Vargas a tomar uma posição. Afinal, o regime era muito próximo do fascismo europeu, mas o Brasil sempre pertencera à área de influência dos Estados Unidos. Com a eclosão do conflito, Getúlio declarou neutralidade em relação ao embate, mas tal posição era vista pelos estadunidenses como um apoio envergonhado ao regime fascista.

            A posição brasileira só foi definida em 1941, quando bancos estadunidenses dispuseram-se a financiar a construção da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e da Companhia Vale do Rio Doce, possibilitando ao País produzir aço em grande escala. Após esse empréstimo, o rompimento com o Eixo tornou-se inevitável. Neste contexto, foi se constituindo a política da "Boa Vizinhança" em substituição à política do "Big Stick", ou seja, do grande porrete, marcada pela intervenção militar dos EUA na América Latina. Foi justamente em 1941, que Walt Disney passou pelo Rio de Janeiro e no ano seguinte, lançava um novo personagem: o Zé Carioca, um papagaio que deveria ser uma representação do Brasil e de sua cultura pelo mundo afora.

Com chapéu de palha, paletó, gravata, guarda-chuva e charuto, o papagaio absorvia a identidade social do "malandro", ente presente no mundo do samba e do submundo, que de trambique em trambique, ia gozando a vida, com muita ginga e esperteza, elemento este que se conecta com a velha tese do "jeitinho brasileiro".

Em 1943, Getúlio e Roosevelt se encontraram em Natal (RN), visando estreitar ainda mais os laços de apoio do Brasil no esforço de guerra para os Aliados. Abaixo, também de paletó e chapéu, está o nosso ditador, junto da comitiva de Roosevelt, mas num clima não tão descontraído




Nesse momento, Vargas autorizou o estabelecimento de uma base militar dos EUA em Natal para servir de apoio logístico para a patrulha e defesa do Oceano Atlântico contra as forças do Eixo.

A entrada do Brasil na guerra e o envio de soldados foram provocados pelo afundamento de navios brasileiros, que teriam sido, segundo fontes oficiais, 36 embarcações foram atacadas por submarinos alemães e italianos no litoral nordestino, fato que causou grande tensão e comoção na opinião pública, pois o saldo de mortos chegou a 1080 mortos, entre tripulantes e passageiros. Dessa forma, a população apoiou a ida de soldados para a Europa.

Deem uma olhada na animação "Aquarela do Brasil" ( http://www.youtube.com/watch?v=_mQHr8bAojU ) que mostra o célebre encontro entre o Zé Carioca e o Pato Donald, que de certa forma, pode ser uma boa leitura de como se construía esta "Boa Vizinhança".

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Túmulo de Arafat aberto para investigação sobre as causas da morte


Fonte: Portal Yahoo by  

A fonte informou que o trabalho continuará pelos próximos 15 dias

Funcionários palestinos começaram a abrir o túmulo do dirigente palestino Yasser Arafat com o objetivo de obter elementos para a investigação sobre as causas da morte do líder palestino, informou uma fonte ligada à família.
"Hoje começaram a tirar o cimento e as pedras do mausoléu de Arafat. O trabalho continuará durante pelo menos 15 dias", declarou à AFP a fonte, que pediu anonimato.
"As operações continuarão até chegar à camada de terra que cobre o corpo, que será removida na chegada dos juízes franceses, especialistas suíços e dos investigadores russos envolvidos", completou.
O mausoléu de Arafat estava oculto por grandes toldos, assim como a entrada da Muqata, a sede da presidência da Autoridade Palestina.
O cadáver de Arafat deve ser exumado em 26 de novembro para que os juízes franceses responsáveis pela investigação sobre um possível assassinato e os especialistas suíços que detectaram quantidades anormais de polônio nos bens pessoais de Arafat retirem mostras.


sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Arqueólogos búlgaros descobrem cidade pré-histórica mais antiga da Europa

Fonte: Portal iG by AFP 



Arqueólogos anunciaram a descoberta da cidade pré-histórica mais antiga da Europa no leste da Bulgária, onde foi encontrada também uma arcaica produção de sal, que teria sido a origem de grandes riquezas descobertas no local.
Escavações feitas no sítio, próximo à cidade moderna de Provadia, até agora revelaram os vestígios de um assentamento de casas de dois pavimentos, uma série de buracos no chão usados em rituais, assim como pedaços de um portão, estruturas de uma fortaleza e três muros de fortificação posteriores, todos com datação de carbono referente aos períodos Calcolítico (Idade do Cobre) médio e tardio, entre 4.700 e 4.200 anos antes de Cristo.
"Não estamos falando de uma cidade como as cidades-estado gregas, assentamentos antigos romanos ou medievais, mas do que arqueólogos concordam que tenha sido uma cidade no quinto milênio antes de Cristo", afirmou Vasil Nikolov, pesquisador do Instituto Nacional de Arqueologia da Bulgária, após anunciar as descobertas no começo do mês.
Nikolov e sua equipe trabalham desde 2005 em escavações do assentamento Provadia-Solnitsata, situado perto do resort de Varna, no Mar Negro.
Uma pequena necrópole também foi encontrada, mas ainda precisa ser estudada mais a fundo e poderá manter os cientistas ocupados por gerações.
Esqueletos de um adulto e duas crianças encontrados no cemitério da cidade pré-histórica descoberta na Bulgária
O arqueólogo Krum Bachvarov, do Instituto Nacional de Arqueologia, afirmou que sua última descoberta é "extremamente interessante" devido às posições peculiares de sepultamento e dos objetos descobertos nas sepulturas, que são diferentes dos de outras sepulturas neolíticas encontradas na Bulgária.
"Os enormes muros no entorno do assentamento, que foram construídos muito altos e com blocos de pedra, também são algo que até agora não tinha sido visto em escavações de sítios pré-históricos no sul da Europa", acrescentou Bachvarov. 
Bem fortificada, com um centro religioso e, mais importante, um grande centro de produção para uma commodity específica que foi comercializada por toda parte, o assentamento de cerca de 350 pessoas encontrou todas as condições para ser considerada a mais antiga "cidade pré-histórica" conhecida na Europa, afirmou a equipe.
"Em uma época em que não se conhecia a roda e a carroça, estas pessoas arrastaram enormes rochas para construir muros enormes. Por quê? O que escondiam atrás deles?", questionou Nikolov. 

A resposta é o sal.
Precioso como ouro 
A área é rica em grandes depósitos de sal rochoso, uns dos maiores no sul da Europa e o único a ser explorado até o sexto milênio antes de Cristo, disse Nikolov.
Isto é o que faz de Provadia-Solnitsata um local tão importante.
Atualmente, o sal ainda é extraído no local, mas 7.000 anos atrás, tinha uma importância completamente diferente.
"O sal foi uma commodity extremamente valorizada em épocas antigas, por ser necessário tanto para as vidas das pessoas e como um método de comércio e moeda a partir do sexto milênio a.C. até o ano 600 a.C.", explicou o cientista.
A extração de sal no local começou em 5.500 anos a.C., quando as pessoas começaram a ferver salmoura de uma fonte vizinha em estufas encontradas dentro do assentamento, disse Nikolov, citando os resultados de datação de carbono de um laboratório britânico em Glasgow, Escócia.
"Esta é a primeira vez no sul da Europa e no oeste de Anatólia que os arqueólogos encontraram traços de produção de sal em uma época tão remota, o fim do sexto milênio a.C., e conseguiram prová-la com dados arqueológicos e científicos", confirmou Bachvarov.
A produção de sal saiu do assentamento por volta do fim do sexto milênio e a produtividade aumentou gradualmente. Após ser fervido, o sal era cozido para formar pequenos tijolos.
Nikolov disse que a produção cresceu de forma permanente a partir de 5.500 a.C., quando uma carga das estufas de Provadia-Solnitsata rendia cerca de 25 quilos de sal seco. Por volta de 4.700 a 4.500 a.C., este volume tinha aumentado para 4.000 a 5.000 quilos de sal.
"Em uma época em que o sal era tão precioso quanto o ouro, você imagina o que isto significou", afirmou.
O comércio de sal deu à população local grande poder econômico, o que poderia explicar os bens em ouro encontrados em seputuras da Necrópole de Varna e que remontam a 4.300 a.C., sugeriu Nikolov.