As Ricas Horas do Duque de Berry

As Ricas Horas do Duque de Berry
As Ricas Horas do Duque de Berry. Produção dos irmãos Limbourg - séc. XV. Mês de novembro

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Roteiro de estudo Revisão ENEM 2014 Parte II

Continuando nossa revisão:

Competência de área 2 - Compreender as transformações dos espaços geográficos como produto das relações socioeconômicas e culturais de poder.

H6 - Interpretar diferentes representações gráficas e cartográficas dos espaços geográficos.


H7 - Identificar os significados histórico-geográficos das relações de poder entre as nações 

H8 - Analisar a ação dos estados nacionais no que se refere à dinâmica dos fluxos populacionais e no enfrentamento de problemas de ordem econômico-social.

H9 - Comparar o significado histórico-geográfico das organizações políticas e socioeconômicas em escala local, regional ou mundial.


H10 - Reconhecer a dinâmica da organização dos movimentos sociais e a importância da participação da coletividade na transformação da realidade histórico-geográfica. 



A competência 02 tem por objetivo trabalhar as relações espaciais e as dinâmicas da sociedade, implicando nas relações históricas, socioeconômicas, políticas e culturais dentro de uma determinada região, pensando as diferentes formas de relação do homem com o território, as formas de exploração e desenvolvimento econômico e como nesses processos, os fluxos de circulação populacional tiveram maior ou menor transformação, especialmente no que diz respeito às políticas de planejamento e infra-estrutura.

Enem 2011 - Prova Azul - Q12 - Gabarito: A



SOBRADINHO





O homem chega, já desfaz a natureza

Tira gente, põe represa, diz que tudo vai mudar

O São Francisco lá pra cima da Bahia

Diz que dia menos dia vai subir bem devagar

E passo a passo vai cumprindo a profecia do beato que

dizia que o Sertão ia alagar.



SÁ E GUARABYRA. Disco Pirão de peixe com pimenta. Som Livre, 1977 (adaptado).


O trecho da música faz referência a uma importante obra na região do rio São Francisco. Uma consequência socioespacial dessa construção foi

A) a migração forçada da população ribeirinha.


B) o rebaixamento do nível do lençol freático local.


C) a preservação da memória histórica da região.

D) a ampliação das áreas de clima árido.

E) a redução das áreas de agricultura irrigada.

O processo de formação da represa de Sobradinho implicou no alagamento de uma grande área que atingiu a população dos municípios de Remanso, Pilão Aracado, Sento Sé, Casa Nova e Sobradinho e dessa forma, resultou no deslocamento das populações ribeirinhas para as regiões mais altas. A Alternativa correta é a A.

Na alternativa B, fala-se no rebaixamento do lençol freático, porém, este tipo de processo não é relacionado com o represamento da água. Na alternativa C é apresentada a questão da preservação da memória histórica da região, mas com o alagamento, as ruínas de Canudos foram engolidas pelas águas e assim, torna-se errada.
No caso da alternativa D, a formação de uma represa não é capaz de ampliar "áreas de clima árido" e vale destacar também que o clima na região é "semiárido" e não "árido".
Na alternativa E, comenta-se sobre a redução das áreas de agricultura irrigada, mas justamente no Vale do São Francisco tem se ampliado as regiões de produção agrícola irrigada, focadas na agroexportação, como de frutas tropicais e também na produção de vinhos de padrão internacional de qualidade.



sábado, 25 de outubro de 2014

Roteiro de estudo Revisão ENEM 2014 - Parte I

Faltam 14 dias para o ENEM, portanto, para muitos a tensão e ansiedade estão nas alturas e no presente momento, o melhor a fazer é buscar a tranquilidade, equilibrando tempo de estudo e descanso.

O que esperar da prova de Ciências Humanas no ENEM 2014 ?

Não há um padrão estabelecido que faça com que a prova tenha "sempre" a mesma cara e dessa forma, os temas abordados são escolhidos a partir das competências e habilidades estipuladas pelo INEP e assim, permitem uma variedade muito grande de enfoques.

Outro ponto importante é entender que prova abarca todas as Ciências Humanas: Filosofia, Geografia, História e Sociologia. Observando os exames mais recentes (2011, 2012 e 2013), poderíamos observar que uma proporção: 30% para Sociologia e Filosofia, 35% para História e 35% para Geografia. No entanto, pode ser uma mera casualidade, sem que haja uma diretriz oficial do INEP para isso.

Na matriz de Ciências Humanas aparecem 06 competências, cada uma delas, relacionada à 05 habilidades.

Minha proposta é fazer um comentário sobre cada uma das competências e apresentar algumas questões de provas anteriores, identificando o tipo de abordagem e características da questão.


Matriz de Referência de Ciências Humanas e suas Tecnologias

Competência de área 1 - Compreender os elementos culturais que constituem as identidades
H1 - Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais acerca de aspectos da cultura.
H2 - Analisar a produção da memória pelas sociedades humanas.
H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.
H4 - Comparar pontos de vista expressos em diferentes fontes sobre determinado aspecto da cultura.
H5 - Identificar as manifestações ou representações da diversidade do patrimônio cultural e artístico em diferentes sociedades. 

A competência 01 tem como chave a compreensão dos conceitos de cultura e identidade, entendo-se que entre ambos existe uma relação e que ambos podem ser vistos de diferentes perspectivas: através da visão histórica (análise de fontes documentais), da relação com o espaço segundo a geografia ou ainda dentro do campo das manifestações sociais, tendo a cultura e a identidade um papel importante na organização dos grupos sociais e de suas formas de produzir conhecimento, arte e auto-expressão.

Prova Azul ENEM 2011 - Q31 - Gabarito: A

Em geral, o s nossos tupinambas ficam admirados ao ver os franceses e os outros dos países longínquos terem tanto trabalho para buscar o seu arabotã, isto é, pau-brasil. Houve uma vez um ancião da tribo que me fez esta pergunta: “Por que vindes vós outros, mairs e perós (franceses e portugueses), buscar lenha de tão longe  para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra?”
LÉRY, J. Viagem à Terra do Brasil. In: FERNANDES, F. Mudanças Sociais no Brasil. São Paulo: Difel, 1974. 

O viajante francês Jean de Léry (1534-1611) reproduz um diálogo travado, em 1557, com um ancião tupinambá, o qual demonstra uma diferença entre a sociedade europeia e a indígena no sentido 

A) do destino dado ao produto do trabalho nos seus sistemas culturais.
B) da preocupação com a preservação dos recursos ambientais.
C) do interesse de ambas em uma exploração comercial mais lucrativa do pau-brasil. 
D) da curiosidade, reverência e abertura cultural recíprocas.
E) da preocupação com o armazenamento de madeira para os períodos de inverno.


A questão acima apresenta duas dimensões importantes: a questão do processo de colonização como fruto da expansão capitalista e de suas necessidades em matérias-primas e mercados, que implicaram, no choque cultural entre o colonizador que assumiu o controle da terra e de seus recursos e os colonizados, sendo estes últimos associados aos europeus em formas variadas de escambo, mas que posteriormente convergiram para a escravização.

No quesito do "choque cultural" pelo texto observa-se que os índios tinham uma percepção distinta sobre o uso dos recursos naturais se comparada à visão europeia, permeada pelos conceitos de exploração, acumulação e lucro.

No século XVI, não existiam os atuais debates sobre ecologia e sustentabilidade, assim, a alternativa B está excluída. O europeu tinha interesse econômico na exploração do pau-brasil, o indígena não e desse modo, a alternativa C está eliminada.

Curiosidade entre europeus e nativos era real, afinal, dois "mundos" muito diferentes estavam se encontrando ali, porém, não é possível falar que o europeu reverenciou o indígena e sua cultura, pois sabemos que da perspectiva eurocêntrica, o nativo era visto como "inferior e selvagem", salvo exceções. E no caso das relações culturais, a "abertura" citada na alternativa D foi muito relativa e assim, também deve ser excluída.

Por fim, no caso da alternativa E, sabemos que  os europeus tinham uma motivação econômica em relação à extração do pau-brasil e era direcionada às manufaturas de tinturaria e não ao abastecimento de lenha para o inverno. Portanto, esta alternativa está incorreta.

Portanto, a melhor alternativa é a A, pois a concepção de trabalho era bastante distinta dentro das sociedades indígenas quando comparada com a visão europeia, que se pautava na acumulação de riquezas.

Prova Azul ENEM 2011 - Q29 - Gabarito: C

Foto de Militão, São Paulo, 1879. ALENCASTRO, L. F. (org.). História da vida privada no Brasil. Império a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

Que aspecto histórico da escravidão no Brasil do séc. XIX ˆdo casal retratado acima?

A) O uso de trajes simples indica a rápida incorporação dos ex-escravos ao mundo do trabalho urbano.
B) A presença de acessórios como chapéu e sombrinha aponta para a manutenção de elementos culturais de origem africana.
C) O uso de sapatos é um importante elemento de diferenciação social entre negros libertos ou em 
melhores condições na ordem escravocrata.
D) A utilização do paletó e do vestido demonstra a tentativa de assimilação de um estilo europeu como forma de distinção em relação aos brasileiros.
E) A adoção de roupas próprias para o trabalho doméstico tinha como finalidade demarcar as fronteiras da exclusão social naquele contexto.

A questão apresenta um documento iconográfico do século XIX (fotografia) e pede que o candidato observe seus principais elementos, cruzando com seus conhecimentos sobre o contexto da escravidão durante o período imperial no Brasil.

Na alternativa A temos a ideia de "rápida incorporação" dos ex-escravos, fato este que não ocorreu de modo rápido e ainda hoje, convivemos com diferentes formas de preconceito, exclusão e racismo e assim, esta alternativa está errada.

A alternativa B fala da "manutenção dos elementos culturais africanos", mas ao observarmos a imagem, encontramos o casal vestido à moda europeia, sem nenhum traje ou elemento característico de sua cultura e assim, esta alternativa se torna errada.

A resposta correta é a alternativa C, pois é sabido que os escravos andavam descalços e que somente quando libertos poderiam usar sapatos, já que estes eram usados como um elemento diferenciador entre escravos e libertos. Vale um observação importante: a foto mostra claramente o rapaz calçado, mas no caso da sua companheira, conseguimos ver apenas de modo muito sutil a ponta de um de seus sapatos, no caso, o pé direito. Isto talvez pudesse dificultar um pouco a análise da imagem, que era uma das habilidades avaliadas na questão.

No caso da alternativa D, apresenta-se a ideia de uma "tentativa de distinção " em relação aos brasileiros, mas as vestimentas do casal eram exatamente iguais àquelas usadas pela sociedade brasileira no Império, a qual tomava como referência, os modismos europeus, então, não havia diferenciação e isto inviabilizou a escolha desta alternativa.

Na alternativa E fala-se do "roupas próprias para o trabalho doméstico", porém, apenas com a observação da imagem não é possível afirmar qual seria a ocupação deles e no caso, as vestimentas usadas pelo casal não se enquadram naquilo que podemos entender como "roupa de trabalho" naquele contexto, pois existiam muitas possibilidades de vestimenta e tudo dependeria da função e para quem estava trabalhando e assim, esta alternativa está excluída.